Tecnologia da CBR1000RR Fireblade

A imagem de uma moto desportiva

A alma de uma Superbike

Scroll

Logótipo Honda Fireblade SP

Mr Sato-san – Responsável do projeto

“A sua verdadeira finalidade – onde quer que seja conduzida – é poder desfrutar de algo que não é normalmente vivido no dia-a-dia, algo de inultrapassável.”

Dominar a potência

Veja como funciona o sistema de seleção de modo de condução na CBR1000RR Fireblade.

Grande plano do ecrã digital TFT da Honda CBR1000RR Fireblade

Os modos de condução, quando selecionados, são apresentados no ecrã digital

O seletor de potência funciona através do sistema de seleção do modo de condução (RMSS) e disponibiliza ao condutor cinco níveis de controlo. Quando o nível 1 é selecionado, fica disponível o desempenho de topo em qualquer das seis velocidades. O nível 2 proporciona uma sensação de aceleração suave quando acelera e desacelera O nível 5 tem a entrega de potência ajustada para uma resposta moderada do acelerador, para maior segurança, mas todos os níveis têm a mesma resposta do acelerador na fase inicial.

Exemplos onde o condutor da CBR1000RR pode utilizar os diferentes modos de condução: o modo 1 permite tirar partido do desempenho total do motor, exatamente aquilo que pretende na utilização em pista. O modo 2 é adequado para estradas sinuosas e para a condução quotidiana na cidade; do modo 3 ao 5 aumenta o nível de segurança para proporcionar mais confiança, especialmente em piso molhado.

Grande plano do seletor de potência da Honda CBR1000RR Fireblade.

Condução perfeita na ponta dos dedos Pode facilmente selecionar o modo mais adequado através do interruptor no punho esquerdo do guiador.

Enfoque no desempenho

Um motor com capacidade de resposta fantástica e um som fabuloso.

Vista transversal do motor da Honda Fireblade.

Inigualável numa moto de estrada, o motor é uma obra prima que combina a engenharia e os equipamentos eletrónicos da RC213V.

Peça central na conceção da Fireblade, este novo motor é 2 kg mais leve do que o anterior da CBR1000RR e possui pistões novos que, juntamente com novos segmentos, aumentam a taxa de compressão até 13:1, acrescentando 11 cv de potência. Atinge agora as 13 000 rpm e cria um som de motor rude e áspero através do escape de titânio.

Alterações

Uma construção diferente da cambota, uma maior abertura das válvulas e uma temporização revista das cames conjugam-se para aumentar o desempenho. Já o cárter do óleo e a tampa da ignição em magnésio, assim como os componentes mais leves da embraiagem deslizante, conjugam-se para diminuir bastante o peso só no motor.

Vista lateral da Honda Fireblade com sistema de escape em titânio.

Desenhado para ter uma maior distância ao solo, o novo sistema de escape em titânio poupa no peso e está posicionado de forma a contribuir para a centralização de massas.

Vista traseira da Honda Fireblade.

Sensibilidade acrescida

O controlo de tração selecionável da Honda vem diretamente da RC213V-S.

As curvas rápidas nunca foram tão entusiasmantes. Sempre atenta, como se estivesse permanentemente a executar múltiplas tarefas, a FI-ECU sabe exatamente que relação deve haver entre a aceleração da roda traseira e a desaceleração da roda dianteira e ajusta a posição do Throttle By Wire (TBW) em conformidade - muito inteligente. Com a roda traseira impedida de deslizar e a roda dianteira bem assente no asfalto, o condutor sente-se completamente ligado à Fireblade e à estrada.

Vista dianteira a três quartos da Honda CBR100RR Fireblade com condutor na pista.

Brilhante e luminoso

O aspeto é elegante e focado com luzes LED super brilhantes.

O fluxo de ar é controlado sobre a superfície angulosa dos faróis LED. O seu brilho intenso não passará despercebido. Também tirámos 24 mm da largura da carenagem dianteira e, quando agachado, o condutor torna-se parte da aerodinâmica. Os indicadores e o farol traseiro LED são elegantes e estão completamente integrados na secção posterior da moto.

Grande plano das luzes LED da Honda CBR1000RR Fireblade.

As condutas de ar estrategicamente posicionadas aumentam a estabilidade a alta velocidade.

Grande plano dos indicadores e luzes LED da Honda CBR1000RR Fireblade

A parte traseira da CBR1000RR tem um aspeto tão rápido como a parte dianteira.

Equilíbrio e controlo

A condução da Fireblade foi transformada.

Vista dianteira da Honda CBR1000RR Fireblade a três quartos.

Sob a soberba carenagem encontra-se o quadro em alumínio que foi totalmente redesenhado.

Totalmente redesenhado e com rigidez melhorada, este exclusivo quadro assenta numa dupla trave, oca, feita em alumínio fundido. As paredes estão mais finas, permitindo poupar 300 g, contribuindo para a Fireblade ser mais leve do que o modelo anterior, com uma diferença incrível de 15 kg. O subquadro, em alumínio fundido, foi também totalmente redesenhado – é leve, muito rígido e pesa 600 g menos do que o da Fireblade anterior.

Estabilidade assegurada

O amortecedor de direção eletrónico da Honda (HESD) está incorporado no chassis e mantém a estabilidade da roda dianteira ao sair das curvas. Também desenhámos o braço oscilante Unit Pro-Link com uma espessura reduzida em cada secção, para diminuir ainda mais o peso. Em conjunto, é o chassis que proporciona uma agilidade e um desempenho excelentes.

Vista lateral cortada da Honda CBR1000RR Fireblade.

O quadro da Honda CBR1000RR Fireblade tem um acabamento harmonioso em preto.

Vista traseira da Honda CBR1000RR Fireblade com condutor na pista.

Permitindo curvar com enorme confiança, o chassis da Fireblade é tão leve que quase pode mudar de direção seguindo apenas a sua vontade.